Arbasp Amigos Resgatando as Belas Artes de São Paulo

 

O Segundo Pai de Narizinho

Aos 88 anos, ilustrador de livros de Monteiro Lobato, pintor Augusto Mendes da Silva vive em balneário de Florianópolis

Augusto Mendes da Silva, um senhor de 88 anos que mora numa casa simples de uma rua sem calçamento no balneário de Ingleses, no Norte da Ilha de Santa Catarina, guarda no armário um bem precioso: uma coleção de 23 livros de literatura infantil escritos por Monteiro Lobato (1882-1948). O motivo para tanto cuidado com as obras, publicadas há mais de meio século pela Editora Brasiliense, está nas diferentes capas de cada exemplar: Emílias, Pedrinhos, Narizinhos e Sacis foram pintados justamente por ele, "Augustus", como assina seus trabalhos.
O desenhista vive em Florianópolis há quatro anos. Nasceu em Santos, morou na cidade de São Paulo quase a vida toda. Foi lá que conheceu Lobato. "Ele já era famoso, e tinha um escritório no mesmo andar em que eu trabalhava com desenho comercial", recorda Augusto, que depois chegou a ilustrar, durante anos, o almanaque do Biotônico Fontoura. Na época, Lobato resolveu que seria bom unificar o estilo das capas de suas obras infantis, e fez uma espécie de concurso onde concorreram vários desenhistas. "Ele gostou mais do meu, e me deu a coleção inteira. Fiz a capa e a contracapa, que se completavam quando o livro ficava aberto", conta Augusto.
Ele gastou em média dez dias para desenhar cada exemplar. "Fiz a base com preto, depois colori com uma tinta que não existe mais. Ele me deu liberdade para fazer como eu imaginasse. Sei que as vendas aumentaram depois dos meus desenhos", afirma o artista, que devido ao trabalho ficou conhecido e passou a receber mais encomendas de trabalho.
Sobre Monteiro Lobato, recorda que era uma pessoa brincalhona, "mas queria as coisas certas". Ele lembra que uma época, jovem ainda, começou a criticar o trabalho de outro desenhista, já mais conhecido. "Lobato disse 'meu filho, não faça isso. Ele custou para conseguir o nome, e você está começando agora, precisa ser mais modesto'. Vi que o escritor estava certo, e fiquei menos presunçoso", recorda.
Em Florianópolis, Augusto continua trabalhando. Pinta quadros, e está investindo na encomenda de retratos. "Sou excelente retratista, já fiz 985 retratos", afirma o artista, mostrando as paredes atulhadas de obras de sua autoria. Ele também gosta de falar de sua segunda atividade, a de cantor de ópera. Tem dezenas de recortes de jornal onde aparece nas fotos, as legendas indicando-o como barítono, cercado por outros artistas.

 

Augusto Mendes da Silva

Auto-retrato

Nasceu em Santos. Estudou desenho com Máximo de Azevedo Marques, tendo recebido uma sólidfa formação em pintura.

Assinava seus quadros como AVGVSTVS. Trabalhou muitos anos em arte comercial e  na execução de retratos, com perfeição tal que o classifica entre os melhores do país. Detentor de vários prêmios, medalhas e troféus, seu estilo era acadêmico e ele usava com maestria os contrastes de sombra e luz.

Pintou cerca de mil retratos a óleo e crayon, tendo reproduzido a imagem de diversas personalidades da sociedade e da política. Seu forte era a reprodução da figura humana, mas também pintava, com maestria e expressão, natureza morta e paisagens.

Suas obras se encontram nos seguintes locais:

Câmara Municipal de São Paulo, USP, Instituto da Criança, SERASA, Tribunal de Contas do Estado e do municipio de São Paulo, Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, Academia Paulista de Letras, Vaticano, etc.

Era cantor lírico, barítono, tendo vencido o concurso " Procura-se um cantor" do Teatro Municipal do Rio de Janeiro. Em São Paulo, foi contratato pelas Radio Cultura e  Excelsior.  Na Radio Gazeta, participou da "Cortina Lírica", por vários anos, cantando ao lado de grandes expoentes da ópera como Paulo Ansaldi, Paulo Fortes e outros.

No Teatro Municipal de São Paulo, participou de várias temporadas líricas com destaque para Madama Butterfly, La Bohème de Puccini e I Pagliacci de Leoncavallo, etc. Fez inúmeros recitais ao lado de sua esposa,  a soprano Eva Espíndola.

Socio do TLE, desde o começo,   deixou sua colaboração não só como grande intérprete mas como artista, tendo desenhado a logomarca ofical da entidade.

Foi sócio de várias entidades litero-musicais e dava aulas de canto e pintura em seu atelier AVGVSTVS Espaço Arte Viva.

Augusto Mendes da Silva faleceu no dia 14 de janeiro de 2008 aos 91 anos de idade.

Aquela que é considerada a sua obra prima "Pronta pra festa".

 

 

Testamento de Augusto Rodin

Jóvenes que aspiráis a oficiantes de la Belleza, puede que os resulte grato encontrar aquí el resumen de una larga experiencia.
Amad devotamente a los maestros que os precedieron. Inclinaos ante Fidias y ante Miguel Angel. Admirad la divina serenidad del uno; la salvaje angustia del otro. La admiración es un vino generoso para los nobles espíritus.
Guardaos, sin embargo, de imitar a vuestros mayores. Respetuosos de la tradición, sabed discernir lo que ella contiene de eternamente fecundo: el amor a la naturaleza y la sinceridad. Estas son las dos fuertes pasiones de los genios. Todos adoraron la Naturaleza y no mintieron jamás. De este modo la tradición os tiende la llave merced a la cual podréis evadiros de la rutina. Es la propia tradición la que os recomienda interrogar sin cesar la realidad y la que os prohíbe someteros ciegamente a ningún maestro.

Que la naturaleza sea vuestra única diosa. Tened en ella una fe absoluta. Estad. seguros de que nunca es fea y limitad vuestra ambición a serle fieles.
Todo es bello para el artista, puesto que en todo ser y en toda cosa, su penetrante mirada descubre el carácter, es decir la verdad interior que trasparece bajo la forma. Y esta verdad es la belleza misma. Estudiad religiosamente y no podréis dejar de encontrar la verdad.
Trabajad con encarnizamiento.
Vosotros, estatuarios, fortificad en vosotros el sentido de la profundidad. El espíritu se familiariza difícilmente con esta noción. Imaginar las formas en espesor le resulta embarazoso. Esta es sin embargo vuestra tarea.
Ante todo estableced netamente los grandes planos de las figuras que vais a esculpir. Acentuad vigorosamente la orientación que vais a dar a cada parte del cuerpo, a la cabeza, a los hombros, a la pelvis, a las piernas. El arte exige decisión. Es por la bien acusada fuga de las líneas, que os sumergiréis en el espacio y que os haréis dueños de la profundidad. Cuando vuestros planos estén definidos, todo ha sido hallado. Vuestra estatua vive ya. Los detalles nacen y se disponen por sí mismos, de seguida.
Cuando modeléis, no penséis en superficie sino en relieve.
Que vuestro espíritu conciba toda superficie como el extremo de un volumen que la empujara desde atrás. Figuraos las formas como si apuntaran hacia vosotros. Toda vida surge de un centro, luego germina y se expande de adentro hacia afuera. Del mismo modo, en toda bella escultura, se adivina siempre una potente impulsión interior. Este es el secreto del arte antiguo.
Vosotros, pintores, observad igualmente la realidad en profundidad. Mirad, por ejemplo, un retrato pintado por Rafael. Cuando este maestro representa un personaje de frente, hace huir oblicuamente la línea del pecho y es de este modo que nos da la ilusión de la tercera dimensión.
Todos los grandes pintores sondearon el espacio. Es en la noción de espesor que radica la fuerza.
Recordad esto: no hay líneas, sólo existen volúmenes. Cuando dibujéis, no os preocupéis jamás del contorno, sino del relieve. Es el relieve lo que rige el contorno.
Ejercitaos sin descanso. Es preciso extenuarse en el oficio.
El arte no es más que sentimiento. Pero sin la ciencia de los volúmenes, de las proporciones, de los colores, sin la habilidad de la mano, el más vivo de los sentimientos se queda como paralizado. ¿Qué sería del más grande de los poetas en un país extranjero cuya lengua ignorara? En la nueva generación de artistas, hay numerosos poetas que se niegan a aprender a hablar. Es así como no hacen más que balbucear.
¡Paciencia! No contéis con la inspiración. Ella no existe.
Las únicas cualidades del artista son prudencia, atención, sinceridad, voluntad. Cumplid vuestra tarea como honrados obreros.
Sed verídicos, jóvenes. Pero esto no significa: sed vulgarmente exactos. Hay una deleznable exactitud: la de la fotografía y la del calco. El arte solo comienza con la verdad interior. Que todas vuestras formas, todos vuestros colores traduzcan sentimientos.
El artista que se conforma con un simple simulacro y reproduce servilmente los detalles sin valor, no será jamás un maestro. Si habéis visitado algún cementerio italiano, sin duda habréis notado con que puerilidad los artistas encargados de decorar la tumbas se dedican a copiar en sus estatuas, los bordados, los encajes, las trenzas de cabellos. Puede que sean exactos, pero no verídicos, puesto que no se dirigen al alma.
Casi todos nuestros escultores recuerdan a los de los cementerios italianos. En los monumentos de nuestras plazas públicas, no se distinguen más que levitas, mesa, veladores, sillas, máquinas, globos, telégrafos. Nada de verdad interior; nada, pues, de arte. Apartaos de semejante baratillo.
Sed profundamente, ferozmente verídicos. No vaciléis jamás en expresar lo que sintáis, ni siquiera cuando os encontréis en oposición con las ideas corrientes y aceptadas. Puede ocurrir que al principio no seáis comprendidos. Pero vuestro aislamiento será de corta duración. Pronto vendrán amigos hacia vosotros: puesto que lo que es profundamente verdadero para un hombre lo es para todos.
Por lo tanto, nada de gestos, nada de contorsiones para atraer al público. ¡Simplicidad, ingenuidad!
Los más bellos motivos se encuentran delante de vosotros: son aquellos que conocéis mejor.
Mi muy querido y muy grande Eugenio Carriére, que tan pronto nos dejó, demostró su genio pintando a su mujer
y a sus hijos. Le bastaba celebrar el amor maternal para ser sublime. Los maestros son aquellos que miran con sus propios ojos lo que todo el mundo ha visto y que saben percibir la belleza de lo que es demasiado familiar para los otros espíritus.
Los malos artistas calzan siempre los anteojos del prójimo.
La gran cuestión es ser capaz de emoción, de amar, de esperar, de vibrar, de vivir. ¡Ser hombre antes de ser artista! La verdadera elocuencia se burla de la elocuencia, decía Pascal. El verdadero arte se burla del arte. Yo tomo aquí el ejemplo de Eugenio Carriére. En las exposiciones, la mayor parte de los cuadros no son más que pintura; ¡los suyos semejaban, en medio de los otros, ventanas abiertas sobre la vida!
Admitid las críticas Justas. Las reconoceréis fácilmente. Son aquellas que os confirmarán en una duda que os persigue. Pero no os dejéis abatir por aquellas que vuestra conciencia no admite.
No temáis las críticas injustas. Ellas indignarán a vuestros amigos, los obligarán a reflexionar sobre la simpatía que os tienen y la sostendrán más resueltamente cuando disciernan mejor los motivos.
Si sois nuevos en el ejercicio de vuestro arte, no contaréis al principio más que con un corto número de partidarios y una multitud de enemigos. No os descorazonéis. Los primeros triunfarán: pues ellos saben por qué os aman; los otros ignoran por qué les sois odiosos; los primeros están apasionados por la verdad y reclutan sin cesar nuevos adherentes; los otros no demuestran ningún celo durable por su falsa opinión; los primeros son tenaces, los otros giran a todos los vientos. La victoria de la verdad es segura.
No perdáis vuestro tiempo en anudar relaciones mundanas o políticas. Veréis a muchos de vuestros cofrades llegar por la intriga a los honores y la fortuna: éstos no son verdaderos artistas. Algunos de ellos son, sin embargo, muy inteligentes y si vosotros os ponéis a luchar con ellos en su propio terreno, perderéis tanto tiempo como ellos mismos, es decir toda vuestra existencia: entonces no os quedará ni un minuto para ser artistas.
Amad apasionadamente vuestra misión. No existe otra más bella. Es mucho más alta de lo que el vulgo cree.
El artista da un gran ejemplo.
Adora su oficio: su más preciosa recompensa es la alegría de haber procedido bien. Actualmente, se persuade a los obreros, por desdicha suya, a que odien su trabajo y lo saboteen. El mundo solo será feliz cuando todos los hombres tengan alma de artistas, es decir, cuando todos sientan el placer de su labor.
El arte es aún una magnífica lección de sinceridad.
El verdadero artista expresa siempre lo que piensa, aún a riesgo de hacer tambalear todos los prejuicios establecidos.
De este modo enseña la franqueza a sus semejantes. ¡Imaginemos qué maravillosos progresos se realizarían de pronto si la veracidad absoluta reinara entre los hombres!
¡Qué pronto la sociedad se desprendería de sus errores y sus fealdades francamente confesados y con qué rapidez nuestra tierra se convertiría en un Paraíso!…

 

 

O mártir que salvou o Salão Paulista de Belas Artes, das mãos dos medíocres.
 

"Luxuaria", óleo sobre tela 91 x116- 1996
Obra de autoria de Augusto Mendes da Silva, recusada no
51 Salão Paulista de Belas Artes


Foi celebrada dia 14 de fevereiro às 17:00h, na Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, na rua Honório Libero , 90, Jardim Paulistano , Missa de Trigésimo dia em sufrágio da alma do Augusto Mendes da Silva,  músico, professor de arte, pintor retratista.

Pintou mais de 1000 retratos a óleo e crayon.Embora gostasse de pintar mais a figura humana, pintava também paisagens e natureza morta. Usava com maestria os contrastes  fortes de sobra e luz. Começou sua carreira como ilustrador, trabalhou diversos anos para as editoras Melhoramentos, Nacional e Brasiliense.É autor de todas as capas dos livros de Monteiro  Lobato, enquanto o escritor era vivo.( estão expostas na Biblioteca Infantil Monteiro Lobato.SP) Trabalhou, durante 15 anos , na ilustração do Almanaque Biotônico Fontoura. Alguns dos retratos pintados por este grande mestre da pintura podem ser admirados na Câmara Municipal de São Paulo, Na Galeria dos reitores da USP, no Instituto   da Criança,  Galeria dos Notáveis no Serasa, no Tribunal de Contas do Estado e do Município de São Paulo, na Faculdade de Direito do Largo São Francisco, na Academia Paulista de Letras.

Na década de sessenta, em São Paulo, de cada 10 casas 9 tinham uma obra de Augusto, e para se encomendar um retrato com este artista , havia uma fila de espera de seis meses no mínimo.

Augusto Mendes da Silva, não tinha tempo e nem interesse em se inscrever em Salões de arte. Com a morte de Durval Pereira as alunas desse pintor impressionista campeão de prêmios do Salão Paulista de Belas Artes,  procuraram Augusto, que viu de um dia para o outro seu ateliê repleto de alunos. Aconselhado pelas novas alunas começou   a inscrever quadros no Salão Paulista de Belas Artes em 1978. Pelo regulamento do Salão que foi criado e era regido por uma Lei estadual, os prêmios eram escalonados, seu quadro recebeu a Medalha de Bronze, e  no Salão seguinte a pequena Medalha de Prata. No 50 Salão Paulista de Belas Artes, concorreu com o quadro " Pronta para a Festa", e  conquistou a Medalha de Ouro.Não chegou a receber porque alguém alegou que ele não tinha a Grande Medalha de prata e o prêmio foi mudado. Fizeram um acordo de cavalheiros, que no próximo Salão Paulista ele receberia não a pequena Medalha de Ouro .mas sim a Grande Medalha de Ouro.

O 50 Salão Paulista de Belas Artes foi o ultimo Salão Paulista que seguiu a Lei 978/51.

O 50 Salão Paulista de Belas Artes foi realizado graças ao oferecimento do Salão Nobre da Faculdade São Judas Tadeu , feito pelo seu presidente Dr. Alberto Mesquita de Camargo, e a organização da professora Panajota Vassilopoulos Natal, Coordenadora de Educação Artística das Faculdades São Judas Tadeu .

O Salão Paulista de Belas Artes comemorou o seu Jubileu de Ouro  fora de seu espaço natural,  o  Salão Almeida Jr, na Galeria Prestes Maia  onde muitos artistas plásticos conheceram a glória. Este Salão, vencedor de tão grandes batalhas pelo direito de existir, não conheceu preconceito, apadrinhamento ou qualquer atitude que desmereça a razão de ter nascido.Mesmo com falhas era de se esperar que seus continuadores tentassem melhora-lo e, sob o embalo do mesmo sonho de seus fundadores em 1932, viessem a ama-lo pelos seus percalços, sua luta, seu ilustre passado e pelo seu futuro, quando novos valores ajudarão  a preservar a majestade das coisas eternas.Mas aqueles que tanto proclamavam a democracia  durante o regime militar, ao chegar ao governo esqueceram que democracia se faz com leis justas e obediência a elas por todos inclusive o governo. Com o lema que imperava na Secretaria da Cultura , que era preciso jogar a maquina velha fora , colocando  em seu  lugar a maquina nova . O  presidente da Comissão de Artes plásticas  da Secretaria de Estado da Cultura Marcelo Nitchet marido de Carmela Gros,  ignorando que o Salão Paulista de Belas Artes era regido por uma lei em vigor , declarou que com uma penada o Secretario da Cultura, na época Fernando de Morais ( mais interessado em escrever o livro " Chatô"  ) acabaria com o Salão. E foi justamente o que aconteceu, durante 11 anos o Salão Paulista de Belas artes não se realizou.

Passaram-se 11 anos, e quando a Secretaria de Estado da Cultura resolveu realizar o 51 Salão Paulista de Belas Artes continuou ignorando que havia uma lei em vigor que precisava ser obedecida.

O primeiro equivoco do 51 Salão Paulista de Belas Artes , foi ter como presidente da Comissão Organizadora uma senhora de 83 anos e nenhuma experiência em organização de um salão de arte da magnitude do Salão Paulista de Belas Artes. Os outros erros foram a desobediencia ha vários artigos da Lei 978/51, que estava precisando ser atualizada. Segundo a Lei 978/51 a comissão organizadora não podia  ter funcionários da Secretaria da Cultura  fazendo parte dela.

No 51 Salão Paulista de Belas Artes 3 dos 5 membros eram funcionários da Secretaria da Cultura Radha Abramo, Silvia Alice Antibas e Regianer Catânia Laurenço.

As decisões do júri são irrecorriveis, mas deverão julgar conforme a lei. O art. 27 parágrafo 3- A nenhum concorrente poderá ser conferido prêmio inferior ou igual ao que já lhe houver sido concedido, na mesma Seção em Salão Paulista precedente, nem mais de um dos prêmios mencionados no artigo 21, para cada seção.

Augusto Mendes da Silva era portador da Grande Medalha de Prata do 50 Salão Paulista de Belas Artes, portanto o seu quadro não poderia ser recusado, no 51 Salão Paulista.

Soube da recusa do quadro do Augusto , por Milton Pereira , um dos cinco membros do júri ,que junto com Lamberto Fadel foram votos vencidos, antes do resultado ser publicado no Diário Oficial . Enviei um telegrama para  o senhor secretario da Cultura Dr. Marcos Mendonça, apontando o erro da comissão julgadora.  Acredito que este telegrama não chegou as mãos do  senhor secretario,  primeiro porque como deputado deveria conhecer a lei 978/51, segundo até por uma questão financeira, não teria deixado desvalorizar um artista que pintou o seu retrato.

Recebi como resposta uma carta assinada por Silvia Alice  Antibas onde ela invocava  o artigo da Lei 978/51  que diz que só não passam pela seleção os portadores da medalha de ouro.

Ser isento da seleção é uma coisa também chama-se " Hors-Concours", isto é fora de concurso, e outra é o artigo 27 parágrafo 3-  mencionado anteriormente.

Um Salão de Arte que recusa o quadro de um artista de 83 anos professor de arte ,com uma carreira consagrada, não é mais o Salão Paulista de Belas Artes, cujo objetivo conforme o texto editado pelo próprio Conselho de Orientação Artística responsável pela criação e organização do Salão Paulista de Belas Artes em 1932 é:" Expor ao público nesta mostra oficial de arte o que de melhor existe de artes plásticas no nosso meio cultural e auxiliar os artistas nacionais não só divulgando seus trabalhos, como também proporcionando prêmios e maiores possibilidades de vença de suas obras".

Depois de quatro edições do salão Paulista ,( 51,52,53,54) pessimamente organizados , numa total desobediencia a lei em vigor, tanto que no 54 realizado em 2003, alem de todos os artigos que foram desrespeitados  pelos organizadores sendo a presidente da Comissão organizadora a mesma pessoa, e vários membros do júri também o que a Lei 978/51 proibia, nem os catálogos foram confeccionados e distribuídos aos artistas inscritos conforme o artigo 11.

Em 26 de dezembro de 2006 a Lei 12.497, revogou todas as leis em desuso a partir de 1947 até 1952, e com elas revogou a Lei 978/51 que confirmou o Salão Paulista de Belas Artes e criou o Salão Paulista de Arte Moderna.

Por uma coincidência, que só pode ser ironia do destino. Augusto Mendes da Silva, depois da recusa do seu quadro teve uma depressão profunda que o levou a perder seus alunos e as encomendas,  padeceu durante 7 anos e faleceu , deixando sua obra para ser apreciada pelas gerações futuras. O Salão Paulista de Belas Artes  depois de 4 anos de péssimos salões e 3 sem que o salão fosse realizado somando 7 anos também acabou, morreu com a revogação da Lei 978/51.

Espero que no futuro algum estudante de direito se interesse em anular essas 4 últimas edições do Salão Paulista de Belas Artes, para que aqueles que de fato praticaram ações inadequadas , legalmente respondam por elas.

Arbasp - Amigos Resgatando as Belas Artes de São Paulo
Todos os direitos reservados